AUTOMOTIVERESTART

A nova ordem do setor automotivo pós Covid-19

Publicado em 20/10/2020

Conectividade como futuro do design automotivo pós-pandemia

Os impactos da covid-19 na Conectividade

O veículo movido por motor de combustão interna passou por uma transformação mais ampla nos últimos 20 anos do que em todo o século anterior. As duas últimas décadas testemunharam o aumento da padronização, compartilhamento de plataforma e design auxiliado por computador na indústria automotiva. Também houve um rápido aumento na eficiência energética e da potência do motor. Além disso, as tecnologias que melhoram a experiência de direção – como sistemas de navegação GPS, sensores e sistemas de ignição sem chave – são apenas alguns dos recursos comuns no carro de hoje. Esses recursos não são apenas aceitos, mas esperados, pelos novos compradores de automóveis.

A corrida começou. Montadoras inovadoras, desenvolvedores de software e empresas de tecnologia estão liderando uma transformação radical na indústria automotiva. Eles estão refinando e redefinindo as tecnologias existentes e introduzindo novos e empolgantes conceitos, como inteligência artificial e o carro conectado, a fim de proporcionar uma experiência de direção diferente de tudo que já conhecemos.

Mesmo que o carro não seja sem motorista, ele está conectado com o mundo ao seu redor por meio de uma plataforma digital, enquanto os sensores posicionados ao redor do carro fornecem uma cabine de segurança no tráfego cada vez mais denso. As tecnologias Vehicle-to-Vehicle (V2V) e Vehicle-to-Infrastructure (V2I) permitem que os automóveis tenham comunicação entre si e com a infraestrutura, como semáforos. A velocidade do veículo e a distância entre os carros podem ser ajustadas imediatamente em resposta às condições da estrada. O reconhecimento de voz permite que os motoristas se comuniquem com um assistente pessoal virtual para agendar reuniões e enviar mensagens de texto sem tirar as mãos do volante, enquanto o sistema de navegação do veículo orienta o carro no trânsito. Tudo o que uma pessoa precisa está sob seu comando.

Ainda mais empolgante, os players e new corners do setor estão se esforçando para criar uma experiência de veículo unificada, totalmente integrada e altamente personalizada – o carro conectado – que mudará completamente a forma como pensamos em dirigir (se esse termo ainda tiver relevância daqui a 20 anos). Carros elétricos e sem motorista, o estado avançado da tecnologia de inteligência artificial, aplicações crescentes de sensores com sistemas de computador de bordo e conectividade de Wi-Fi por meio de plataformas telemáticas e digitais estão revolucionando o futuro da mobilidade.

Veículos conectados e autônomos tiveram suas demandas fortalecidas e aceleradas com o surgimento de novas situações onde o uso dessas tecnologias podem ser inestimáveis. Em espaços georreferenciados e específicos da China, veículos autônomos já estão sendo implantados para ajudar a combater a pandemia, realizando tarefas como limpeza, desinfecção e entrega de alimentos. Além disso, notícias recentes retratam um maior crescimento neste espaço: a Amazon está discutindo uma potencial aquisição da startup de carros autônomos Zoox; Didi (o Uber da China) anunciou um investimento de US$ 500 milhões em robotaxis em maio.

O data-as-a-service está definido para crescer após a Covid-19. Uma transformação importante, ecoada na estratégia de diferenciação da Tesla, será a mudança da potência do motor para a potência da computação. Em contraste, o foco contínuo de algumas montadoras no hardware e não no software em breve pode acabar ficando desalinhado com os novos requisitos de arquitetura digital dos novos veículos.

Murilo Briganti
Bright Consulting

Office: + 55 19 3397.0175

contato@brightisd.com

Condomínio Centre Ville I
Rua Place Des Vosges, 88, BL. 2,
UN 114, CEP 13105-825
Campinas - SP, Brazil