ARTIGOS

Publicado em 23/06/2020

Após a alforria, o mercado de leves reage
Liberação de atividade para concessionárias traz bons sinais

Completados dois terços do mês, junho demonstra o retorno ao nível de 5.000 emplacamentos diários, enquanto tínhamos 2.830 no mês anterior. Neste ritmo, deveremos atingir 110 mil unidades de vendas, um alívio, mas ainda 45% abaixo do que seria o volume adequado ao mês de junho se não houvesse a pandemia. A volta dos DETRANs também se reflete positivamente, com a recuperação de vendas efetuadas e que não apareciam ainda nos emplacamentos.

As concessionárias começaram a abrir na semana de 08 de junho, regidas por um rígido protocolo de atividades coordenado pela FENABRAVE. São atividades com baixa concentração de pessoas, sem influência na disseminação da doença, mas importantes dentro de um setor que representa muitos empregos. Um termômetro muito bom da atividade econômica.

Se abril e maio tiveram uma quebra de 70-75% nos volumes e junho se consolida ao redor de 50% do nível normal, o que esperar para o ano? Bem, depende de como se pretende usar estes números. Se a intenção é mostrar que o ruim pode se tornar pior para se obter maiores benefícios financeiros e fiscais, veremos números anuais próximos a 1,6 milhão de unidades, que se traduzem numa visão inconsistente com a sazonalidade real esperada para 2020, de 40%/60% nos primeiro e segundo semestres. 

A Bright Consulting acredita no restabelecimento dos volumes de vendas de maneira consistente a partir de julho, atingindo níveis equivalentes aos de 2019 a partir de setembro, com o ano fechando ao redor de 2,048 milhões de unidades. Este volume pode ser reconhecido por alguns como otimista, embora muito próximo do grande vale de 2016, mesmo com condições econômicas muito mais robustas quando iniciamos este ano. Desse total, 1,29 milhão deverão vir no segundo semestre, que terá um peso de 63% nas vendas do ano. Para 2021, nossas previsões seguem mantidas em 2,356 milhões de unidades, o que representa um crescimento de 15% em relação a 2020.

Pelo dólar, pelos custos logísticos ampliados, pela ociosidade das fábricas, os preços sobem bastante. Somente devido ao dólar, essa defasagem média era de 12% e os aumentos acumulados já passam de 5%. Com preços maiores, cai a demanda pelos veículos de entrada, cada dia menos acessíveis. A parcela de veículos abaixo de 60 mil reais, que era de 41% em 2019, caiu para 31% em maio – dados reais mais impactados pela limitação nas vendas do que pelo aumento de preços. Porém, veículos na faixa de 100 a 160 mil reais cresceram sua participação em 8%.

Explica o aumento de veículos de maior valor a evolução dos SUVs que seguem firmes e fortes, com participação ampliada de 22% em 2019 para mais de 25% no acumulado deste ano. A mesma tendência é identificada nas picapes mid-size que ampliaram sua participação em 6% impulsionadas pelo espetacular desempenho do agronegócio. 

Com os aumentos previstos para os hatchbacks, muita gente pode preferir comprar um SUV menos sofisticado e equipado, o que beneficia aqueles com maior conteúdo local e preço mais contido – melhor ainda se novo ou rejuvenescido recentemente.

Outro fator que favorece a presença dos SUVs é a venda regional. Como as grandes metrópoles ficaram a nocaute por longo tempo – leia-se São Paulo, Rio e capitais do nordeste – o centro-oeste teve suas vendas preservadas, elevando o mix de SUVs e picapes. É o resultado da força da agricultura num ano em que a safra de grãos promete ser recorde.

As vendas diretas que fecharam 2019 ao redor de 50% deverão sofrer uma queda para 42%, impactadas principalmente pela queda nas vendas a locadoras. Ações para atender mais aceleradamente às vendas PCD podem melhorar esta relação e serem benéficas para as montadoras que oferecem um veículo com mais conteúdo, com comissão garantida às concessionárias, a preços com menor desconto e menos impactadas por impostos, ou seja, um negócio bom para todo mundo.

Os melhores resultados no segmento de leves são um grande alento ao setor automotivo, uma vez que o segmento de caminhões pesados e ônibus deve atingir vendas ao redor de 80 mil veículos este ano e voltar ao patamar das 115 mil unidades já em 2021.

O foco das montadoras e do mercado a partir de agora deverá se concentrar na implementação de processos digitais robustos para atendimento aos clientes, tendência que foi acelerada em mais de 3 anos devido à pandemia do coronavírus.

Adicionalmente, a busca pela manutenção da evolução tecnológica vem dos novos consumidores da Geração Z e as demandas por menor manutenção, maior segurança, menores emissões e melhoria da eficiência energética vêm agora do mercado. A negociação das metas regulatórias para estas áreas deve ser cuidadosamente ponderada pelos legisladores no pacote de benefícios fiscais e financeiros sendo entregue às empresas do setor.

Entendemos que a visão positiva de empresas como Toyota e PSA, confirmando tanto a manutenção de investimentos quanto o retorno antecipado à produção, deverá ser uma constante a partir de junho.

Um mês a menos para o fim da crise.

Cassio Pagliarini
Paulo Cardamone
Bright Consulting

 

Office: + 55 19 3397.0175

contato@brightisd.com

Condomínio Centre Ville I
Rua Place Des Vosges, 88, BL. 2,
UN 114, CEP 13105-825
Campinas - SP, Brazil